Reunião entre o CAT, Nivaldo Bianchi, e os conselheiros

Confira os assuntos tratados no encontro realizado na tarde de ontem (16)

Os representantes da Sede pediram para uma reunião com o CAT, Nivaldo Bianchi, para falar sobre a pauta da Reunião do Conselho e sanar assimetrias de informações. Ele então entrou em contato com a Michele, representante de Presidente Prudente, ontem pela manhã (16/9), e pediu a ela que convidasse mais alguns membros do Conselho (no máximo dez) para uma reunião em seu gabinete, no 5º andar, no mesmo dia (16/9), às 15h30.

De última hora foram contatados alguns representantes, tendo comparecido os seguintes: Nanci e Valdemar (Sede), Adriano (Campinas), Gabriel (DRTC-II), Sigoli (Ribeirão Preto), Mauro e Renato (Bauru), Alex e Michele (Presidente Prudente), Marcel (ABCD), Gilsemara e Osório (Araraquara) e Meirelles (Jundiaí). A reunião durou aproximadamente 1h30.

Nivaldo disse que o novo secretário está muito interessado em resolver os problemas dos AFRs e tem cobrado a apresentação de várias propostas, com simulação do impacto financeiro, para serem levadas ao governador. Disse que a cúpula da Sefaz  tem feito várias reuniões para preparação dessas propostas (Nivaldo, Evandro, Yamazaki, Luciano, Conceição da APT e Silvia Mara do DRH) e ele acredita que até o final deste mês haverá alguma conclusão.

Nas conversas com o Sefaz, Nivaldo disse ter avisado ao secretário que qualquer proposta de solução deverá ser aprovada pela classe via entidades.

Indagado sobre o G10, afirmou que esse grupo não existe. Segundo ele, a expectativa é conseguir uma proposta que seja boa para todos, sem vantagens ou desvantagens para nenhum segmento da classe. Disse também que essa proposta é além da minuta que está no Palácio para ser encaminhada à Alesp. Embora vários dos colegas presentes tenham tentado obter detalhes do que está em estudo, ele disse que não poderia adiantar nada, só repetindo várias vezes que tem se empenhado ao máximo para resolver o nosso problema salarial porque ele também está muito prejudicado. Deu a entender que querem resolver o problema da hierarquia, para evitar o êxodo para a FDT.

Sobre os 14% da PR de 2015 disse que será preciso remanejar recursos de outras secretarias, mas não confirmou se será paga logo. Quanto à PR de 2016, disse que a meta foi calculada em fevereiro, pelo método antigo, e está parada no Palácio. Estão tentando alterar a fórmula de cálculo, de forma mais transparente e benéfica para a classe. Não há previsão de pagamento.

Nas reuniões com o governador sobre a arrecadação, ele reclama da queda e pergunta se a arrecadação caiu por causa da não lavratura de Autos de Infração.

Nivaldo avisou o governo sobre a Operação Padrão, Dia sem computador e greve dos TEFEs. O secretário adjunto Yamazaki perguntou se pagando os 14% a classe pararia o movimento e ele avisou que a classe quer os 14%, mas que só isso não é suficiente.

Não foram apresentadas as minutas e nem propostas para os participantes da reunião. E as minutas continuam na secretaria de governo, não retornaram para a Sefaz, ou seja, está mantido o que está no e-mail.

O Sinafresp ainda não pediu reunião com o CAT. A agenda está aberta para a diretoria.

No final, os representantes avisaram que a reunião de amanhã será mantida com a mesma pauta e com os mesmos resultados votados pelas bases.