Estadão destaca protestos dos AFRs em matéria sobre a queda de Renato Villela

Publicada no caderno de Economia, a reportagem aborda os principais movimentos da classe e traz importantes informações sobre a transição

A matéria, publicada hoje (31), é assinada pelos repórteres Fabio Leite e Alexa Salomão. Importante frisar que alguns encontros prévios já haviam sido realizados com os jornalistas e a diretoria do sindicato, a fim de discutir assuntos importantes e de interesse público e também disponibilizar a classe como fonte oficial para questões tributárias do Estado. Para a produção desta matéria foram consultados pelo jornal o vice-presidente Glauco Honório, o diretor de comunicação Leandro Ferro e o diretor de assuntos jurídicos José Rielli.

No texto divulgado hoje, complementando a versão oficial informada pelo Governo, os jornalistas não deixaram de informar logo no início que Renato Villela vinha sendo alvo de protestos dos fiscais de rendas do Estado. O jornal relembra ainda a Entrega de Funções em julho, bem como as denúncias feitas pelo sindicato sobre os benefícios fiscais concedidos aos frigoríficos sem contrapartidas para a população. Outro ponto destacado foi a suspensão dos autos de infração e imposição de multa a empresas sonegadoras de impostos, resultando em uma redução de 65% na quantidade de multas aplicadas.

A Secretaria da Fazenda foi procurada pelo veículo e teve que se posicionar. As declarações citadas na matéria foram feitas por meio de uma nota em que negou que os protestos tenham contribuído para a saída do secretário. Além disso, traz informações tendenciosas quando diz que a o movimento da classe não afetou a arrecadação, sendo imprescindível informar que o Estado arrecadou até o final do mês de maio pouco mais de R$ 1,1 bilhão, redução expressiva em comparação com o mesmo período de 2015, quando os cofres paulistas receberam R$ 1,5 bilhão de receitas extras.

A queda real acumulada na arrecadação do ICMS estadual entre os meses de janeiro e julho de 2016 foi de 9,4% comparada ao mesmo período de 2015. O mês de julho deste ano registrou queda de 13,1% na arrecadação do ICMS em comparação ao mesmo mês do ano anterior. A justificativa que tem se dado para esse decréscimo é a crise econômica atual, todavia, segundo a Fundação SEADE, o PIB do Estado de São Paulo avançou 0,9% entre maio e junho de 2016, retomando a série de taxas positivas interrompida no mês anterior.

Aqui fica a reflexão, se o movimento dos AFRs, trazendo à tona todo o quadro negativo da administração tributária paulista, não teve relação com a queda de seu secretário, como informou o Governo, talvez realmente o motivo tenha sido “apenas” sua incapacidade gerencial, mas infelizmente nenhum dos fatos foi tratado com a responsabilidade que um estado como São Paulo necessita.

 

Clique aqui e leia a matéria.